Simulador de romance, mas o que!?

| 01:46
Reflexões
Nenhum comentário

Num fim de semana, resolvi procurar no Netflix um documentário que parecesse interessante. Eis que encontrei uma série documental, chamada Dark Net, com a seguinte descrição:

Cartaz da série Dark Net com jovem de cabelo ruivo vestindo camisa azul aparece vendado por uma faixa preta com símbolos digitais que possui o nome da série escrito em fonte branca.

“Esta série explora as aplicações mais sombrias e perigosas do mundo cibernético, criadas e utilizadas por pessoas completamente diferentes.”

Logo pensei que a série fosse falar sobre hackers explorando vulnerabilidades e invadindo máquinas de usuários ou vendendo serviços ilícitos na deep web. Contudo, não exatamente…

O documentário fala sobre pessoas que utilizam equipamentos e recursos digitais para fins inusitados de uma forma geral.

Em certo momento, fui apresentada a Yusuke, um japonês que tem uma namorada virtual chamada Rinko. Entretanto, não vá pensando que se trata de um ser humano, pois Rinko é um personagem do jogo Love Plus, desenvolvido e distribuído pela Konami para o Nintendo DS no Japão.

Isso mesmo. Rinko é um avatar de uma garota no primeiro ano do ensino médio e Yusuke, um homem de carne e osso, age como se os dois estivessem em um relacionamento real, levando a “moça” para encontros no parque, bares, restaurantes e para viagens.

Rinko parece ser uma versão evoluída do nostálgico Tamagotchi, só que em uma versão romântica. Um pouco estranho, não é mesmo?

Três personagens do jogo Love Plus para Nintendo DS. Manaka Takane, de cabelo preto e rabo de cavalo, Nene Anegasaki, de cabelo castanho, na altura dos ombros e franja, e Rinko Kobayakawa, de cabelo curto acinzentado. Todas vestem uniforme de colegial japonês com blusa branca e saia plissada azul marinho.
Conheça Manaka Takane, Nene Anegasaki e Rinko Kobayakawa, personagens do jogo Love Plus.

Pelo que pude entender, no jogo, o primeiro objetivo é conquistar uma das três personagens disponíveis. Após arranjar uma namorada, o jogador pode optar por jogar em tempo real. No documentário, Yusuke conversa com sua Rinko por voz e não é que ela interage de uma forma carinhosa e fofa com o rapaz? Parabéns, Nintendo! Fiquei impressionada e a versão jogada por Yusuke nem era a mais atual disponível.

Tela do jogo Love Plus para Nintendo DS com Rinko dialogando com o jogador.
Tela do jogo Love Plus para Nintendo DS com Rinko.

Li que as personagens podem mudar de personalidade para tentar se adequar às preferências do usuário e tentar “conquistá-lo”. Em um blog, um jogador afirma que Rinko mudou de personalidade depois que ele lhe contou que preferia garotas divertidas. Se isso for verdade, o software de Machine Learning do jogo faz com que a personagem “aprenda” a conquistar o jogador a partir dos dados fornecidos pelo mesmo.

De acordo com a revista Time, há mais homens japoneses como Yusuke, que pararam de procurar amor romântico em seres humanos. Isto é compreensível se levarmos em conta que muitos japoneses temem a rejeição. Neste tipo de relacionamento platônico virtual, o algoritmo não dá espaço para conflitos, términos ou situações como a de Yusuke que foi abandonado pela sua ex namorada, tornando-se assim um ambiente seguro. Mas, será que desta forma ficamos cada vez mais incapazes de enfrentar as dificuldades e buscando refúgio em uma zona de conforto, mesmo que isso nos prive de viver no mundo real?

A Konami, fabricante do jogo, já está criando uma nova versão do Love Plus para iOS, chamada Love Plus Every, que foi eleita a mais aguardada pelos visitantes e juízes do Tokyo Game Show 2017, tendo até parte do jogo apresentada em VR no evento.

Três telas do jogo Love Plus Every para iOS com Rinko, Manaka e Nene.
Telas do jogo Love Plus Every para iOS com Rinko, Manaka e Nene.

Até o momento, os jogos da franquia Love Plus só foram lançados no Japão, mas será que um dia o jogo irá chegar no Brasil e será que vai encontrar mercado por aqui?

Menina pensando.

Referências


0 Comentários

Deixe o seu comentário!